Bem-vindos à rubrica A Dica Verde! Esta rubrica foi criada com o intuito de ser uma ferramenta para apresentar alternativas que eu conheço, experimento e adoro, de modo a recomendar e sugerir opções que vocês, leitores, podem e devem explorar! No que toca à sustentabilidade (e também saúde!), muitas vezes não sabemos quais os primeiros passos a dar e que produtos ou itens são realmente bons e úteis. Pois este blog está aqui para vos ajudar um pouco nessa tarefa, sendo que tudo o que aqui apresente, com parcerias ou não, é aconselhado porque uso e gosto verdadeiramente, e por ser simples e acessível. Não é do meu interesse sugerir coisas que sejam supérfluas e, consequentemente, desperdício. Contudo, chamo à atenção de que todos somos diferentes e que certos produtos, por funcionarem bem comigo, não significa que funcionem com toda a gente, e as minhas necessidades podem não ser as mesmas de outros. Mas que vale muito a pena investir e experimentar, vale! Também eu passei por muita tentativa-erro até conseguir encontrar produtos que sejam adequados a mim, e que goste. Uma vez que fiz esse trabalho, venho partilha-lo convosco!

Hoje trago-vos produtos verdes à depilação!

Com toda a certeza, nem todos os meus leitores se depilam, mas para os que o fazem, apresento-vos algumas alternativas que não impliquem tanto desperdício.

Tal como diz a Veet: “Para muitas pessoas, a tarefa de depilação (corpo, rosto e barba) é um esforço diário! Com toda esta necessidade de asseio, podemos pôr-nos a pensar que com a evolução já deveria existir uma maneira de fazer desaparecer os pêlos de vez. Contudo, da cabeça aos pés (para alguns), e em todos os recantos, existem razões antigas para termos pêlos corporais, e porque estes estão determinados a crescer de novo, mesmo depois dos mais rigorosos métodos de depilação.

Porquê pêlos? Que seca e que nojo…

Bem, isso é questionável.

Para muitos de nós, a depilação pode ser uma verdadeira prisão e um esforço diário, seja com pêlos no corpo, rosto ou barba! Principalmente pela definição que parece existir acerca de sermos asseados e bonitos… A ausência do pêlo é associada à beleza e isso provoca uma necessidade e pressão que desde há muito tempo gera desperdício de tempo e recursos.

Não é novidade nenhuma dizer que os pêlos corporais existem por alguma razão. Sim, eles estão presentes nas axilas, nas virilhas e nas pernas como estão nas pestanas que protegem os nossos olhos, no cabelo que cresce na nossa cabeça para proteger do sol, ou no pêlo de dentro do nariz que filtra o ar das impurezas. Todos eles têm a função: proteção e filtragem.

Muito do julgamento de acharmos os pêlos bons ou maus, bonitos ou feios, acontece para com a mulher (feminino) e muitos ainda consideram uma mulher não depilada, uma mulher feia e pouco limpa. O mesmo não parece acontecer tanto quando pensamos nos pêlos no homem (masculino). Isso tende a mudar e ainda bem! Já vemos cada vez mais mulheres a libertarem-se da obrigação de depilar, porque perceberam que nem sequer o fariam por elas, mas sim por obrigação. Como cada um de nós é dono do seu corpo e deve sentir-se bem nele, considero ser maravilhosa esta libertação. Somos dignos de fazer o que funciona para nós e de abraçar as mudanças, se assim as desejarmos. Sou totalmente a favor da não-depilação! Afinal de contas, gente, são SÓ PÊLOS. Não é doença, não significa nada de mal, não significa que não tomamos banho e que cheiramos mal, nem que a mulher é feminista ou lésbica, nem que o homem é porco, nem que fazemos parte de um culto… Não significa nada! São são pêlos ☺️

Deixo aqui um vídeo da querida Bumba na Fofinha para descontrair e rir um bocado:

Esclarecida esta parte, que (por muito parva e revolucionária que pareça para muitos) tinha de dizer, vamos ao que interessa…

Muitos dos métodos de depilação utilizados pela maioria das pessoas, devido ao fácil acesso em supermercados e preços mais baratos, são as bandas de cera quente ou fria, os cremes depilatórios e as tradicionais gillettes. Ora, como já deves saber, de leitor assíduo que és, e consumidor consciente, todas essas opções são consideradas descartáveis e geram um desperdício enorme. Pelo material e embalagens de que são feitos, por serem de pouca duração ou uso único. Além disto, os cremes e ceras são muitas vezes sintéticos, tóxicos e agressivos para a nossa pele e organismo, uma vez que pela pele são absorvidos. Só isto já são razões suficientes para considerarmos uma mudança, dado que é para melhor!

De acordo com a EPA (United States Environmental Protection Agency), são descartados quase 2 mil milhões de aparelhos depilatórios e lâminas descartáveis por ano!

Absolutamente chocante não é?

Por exemplo, a marca Gillette recomenda que se mude de lâmina a cada 3 meses. Claro que isso varia muito de pessoa para pessoa. Há pessoas se depilam muitas mais vezes e precisam de trocar a lâmina de dois em dois meses ou até em menos tempo e outras que conseguem utilizar mais do que três meses a mesma lâmina.

O grande problema, é que para além dos aparelhos depilatórios serem descartáveis efeitos de plástico e as lâminas de uma mistura de metal com plástico, estes artigos não podem ser reciclados, porque não são considerados embalagens.

Mind the trash

Se és daqueles ou daquelas que se sente bem sem pêlos, e que faz do processo de depilação um momento de self-care e self-love, vou mostrar-te algumas das alternativas mais conscientes…

  • A Safety Razor. É uma lâmina reutilizável de aço inoxidável, semelhante às usadas antigamente. Serve para todo o corpo, bem como para rosto. Possui lâminas bem eficientes e seguras, que podem ser compradas às recargas. Esta foi sem dúvidas das melhores prendas que já recebi (foi-me oferecida nos anos) porque já namorava uma há bastante tempo e desde então andava a usar uma antiga ainda com cabo de plástico mas que estava a ficar cada vez mais gasta. Deve ser manuseada com cuidado e suavemente, sem aplicar grande pressão, mesmo sendo o risco de corte menor (pelo menos neste modelo de safety razor especificamente). Vende-se em vários sites e de diversas marcas como é o caso da Mind The Trash, mas a minha é da Bambaw e foi encomendada da loja DoZero da Catarina Barreiros. Vem com um suporte para a colocar. O inconveniente é que é ligeiramente mais pesada do que as lâminas convencionais encontradas no supermercado, e não vem com caixa de transporte, pelo que devemos acomoda-la numa caixa suficientemente segura se quisermos transportar quando viajamos. As lâminas depois de já estarem muito gastas, podem e devem ser recicladas. Sendo 100% aço inoxidável, são de fácil reciclagem. Tratando-se de um objeto cortante, devem ser entregues na farmácia para reciclagem deste tipo de componentes. A Catarina avisa, no entanto, que pode-se ir juntando algumas para depois entregar numa farmácia, mas devemos ter em atenção que as farmácias pagam ao Kg pelo metal que entregam, pelo que algumas podem não aceitar um pote (pesado) cheio de lâminas. Preço: €24,99;

Como abrir a safety razor para limpeza ou troca da lâmina:


  • Máquina de corte ou arranque. Esta é outra boa opção, dado que as máquinas, geralmente, duram bastante tempo e podem ser usadas com a pele seca. As desvantagens são o material de que são feitas, pois é um aparelho e possui muito plástico na sua composição, dependerem de pilhas ou corrente eléctrica e, muitas delas fazerem da experiência depilatória um processo bastante doloroso (pelo menos as de arranque! Confiem em mim 😫). Para além disso, são um investimento mais dispendioso. Se a máquina não for de boa qualidade, pode ter um desempenho pouco satisfatório, ou o pêlo ser mal arrancado por não estar suficientemente comprido, ou sensação de barba na pele por não ser cortado tão rente (no caso da máquina de corte). Os preços variam bastante dependendo da marca ou eficiência, mas esta é de arranque, da Philips e custou: 50€. A minha antiga era de corte, da Philips e custou: 34,90€;
Conjunto depiladora de arranque Philips com pequeno aparelho de corte

  • Cera caseira de açúcar. Talvez esta seja uma boa opção para quem faz a depilação muito de vez em quando, uma vez que requer açúcar e preparação. Contudo, é uma excelente alternativa à cera convencional, é de base alimentar e acessível, pois o açúcar não é algo difícil de encontrar nem dispendioso. No entanto, apesar de ser para uso cosmético, devemos privilegiar um açúcar sustentável, que tanto dê para este efeito como para usos culinários (sem abusos minha gente!), como por exemplo açúcares com padrões de sustentabilidade e ética reconhecidos internacionalmente (Bonsucro, Proterra ou Fairtrade).

(questionei algumas marcas portuguesas acerca da origem da cana-de-açúcar por elas usada e local da produção, bem como medidas de sustentabilidade que estejam a implementar mas ainda nenhuma resposta foi dada. Contudo, sei que existe plantio de cana-de-açúcar em Portugal, na Ilha da Madeira, mas o principal produtor é o Brasil).

Para fazer esta cera vais precisar de: 1/2 xícara (100g) de açúcar granulado refinado, mascavado ou açúcar demerara ± 2 colheres de sopa de sumo de limão fresco ou vinagre + 2 colheres de sopa de água ± talco ou farinha de araruta para secar a pele antes de aplicar a cera, caso necessário. Pode ser armazenado num frasco untado com uma gota de óleo vegetal para não colar, e deve ser reaquecido antes de usar. Assiste ao vídeo que se segue:


  • Depilação definitiva. Bem, para quem se quer mesmo ver livre de tudo o que é pêlo, aconselho vivamente a depilação a laser. Existem já máquinas portáteis à venda em lojas para fazer em casa, mas sinceramente não sei aconselhar nenhuma. Contudo, já experimentei sim, depilação a laser em centros de estética (posso aconselhar a Pharmaestetic/Episense, no norte, em Matosinhos) e fiquei muito satisfeita. Com 12 sessões de laser na zona das virilhas, praticamente deixei de ter pêlo e disse adeus para sempre aos pêlos encravados que foram o meu pesadelo durante tantos anos! Contudo, os resultados depende do tipo de pêlo e de pele, e em todos os casos, devem ser feitas sessões de manutenção no máximo anualmente.

Espero que estas sugestões te pareçam boas e consideres a mudança, se ainda não a fizeste. Acima de tudo, sê feliz e grato com o teu corpo, e por teres opções ao dispor. Se tiveres outras sugestões, escreve nos comentários ou contacta por email!

Obrigada por leres e amares o teu corpo, com ou sem pêlo!

Até breve

2 comentários em “A Dica Verde: A Depilação

  1. Eu faço a com açucar, como indicaste, a receita é quase identica, eu ponho uma boa dose de mel, como faz as mulheres da argelia e maroc, as bandas são de tecido velho, que se podem lavar.
    Na zona da cara, sobrancelha e buço, faço
    com fio de algodão. São as unicas que não faço reacção alergica
    Mais gostei de ler as outras alternativas. Esclerecedor.Parabéns é sempre um prazer

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo